Como funcionam os pulseiras magnéticas?

Terapia Magnética

De acordo com a American Câncer Society (ACS) terapia magnética é usada para reduzir a dor e tratar doenças em várias partes do corpo. Promotores dizem que anéis magnéticos, pulseiras e outros aparelhos magnéticos funcionam porque certas células e tecidos do corpo emitem impulsos eletromagnéticos. Teoricamente, quando a doença ou lesão dificulta seu fluxo, a pulseira magnética pode retificar o desequilíbrio e restabelecer a saúde. Terapia magnética tem sido comercializada como sendo eficaz para aliviar enxaquecas, reparar ossos quebrados, melhorar a circulação e até mesmo curar o câncer. No entanto, a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos diz que os ímãs não têm valor medicinal.

Estático Ímãs

A terapia magnética envolve o uso de magnetos metálicos finos que são frequentemente fixados em pulseiras ou colares. Os ímãs são usados ​​por diferentes períodos, dependendo da doença específica que recebe a terapia. A duração do tratamento pode variar de algumas horas a várias semanas. O ACS observa que a maioria dos ímãs vendidos são chamados ímãs estáticos ou constantes porque o campo magnético é estacionário.

Efeitos promovidos

Acredita-se que os pulseiras magnéticos tenham valor terapêutico devido à sua possível influência sobre o fluxo sanguíneo nas artérias do punho. Acredita-se que o magnetismo emitido pela pulseira aumenta a condutividade elétrica do sangue e aumenta a quantidade de íons (átomos que carregam uma carga de eletricidade). Acredita-se que o processo de ionização melhora a eficiência do fluxo sanguíneo.

Os defensores de pulseiras magnéticas e outros tipos de terapia magnética mantêm os poderes de cura dos ímãs podem acelerar o metabolismo e produzir uma atmosfera menos ácida no corpo. A ACS diz que muitos defensores dos ímãs acreditam que as células cancerígenas não podem viver em ambientes onde o ácido é baixo, então a terapia magnética pode, portanto, impedir a disseminação de tumores. Os proponentes também mantêm campos magnéticos que podem ajustar os impulsos nervosos, reduzir depósitos de gordura nas paredes das artérias e até mesmo modificar o processo de pensamento para aumentar o bem-estar emocional.

Estudos

Pesquisadores britânicos da Universidade de York realizaram um estudo randomizado controlado por placebo e concluíram que os pacientes com artrite podem não encontrar mais alívio da dor ao usar pulseiras de cobre ou pulseiras magnéticas do que aqueles que usam bandas desmagnetizadas. O julgamento envolveu 70 participantes com mais de 50 anos, 65 dos quais completaram o estudo. As descobertas foram relatadas na edição de outubro de 2009 da revista “PLoS One”.

As pulseiras magnéticas realmente ajudam com a dor?

Eles trabalham? Eles são perigosos? Ímãs de lata podem ajudar com dor?

Com a indústria da medicina alternativa tão popular como sempre, não é de surpreender que algumas alegações sobre produtos sejam mais do que duvidosas, se não falsas.

Popular, mesmo no tempo de Cleópatra, a crença em pulseiras magnéticas como uma cura para todos continua a ser um tema muito debatido. Cientistas, empresários e pessoas que buscam alívio da dor e da doença têm suas próprias opiniões.

Hoje, você pode encontrar ímãs em meias, mangas de compressão, colchões, pulseiras e até mesmo roupas esportivas. As pessoas os usam para tratar a dor causada pela artrite, assim como a dor no calcanhar, no pé, no pulso, no quadril, no joelho e nas costas, e até mesmo tontura. Mas eles funcionam mesmo?

De onde vem a teoria

A teoria por trás do uso de ímãs para fins medicinais decorre do período da Renascença. Os crentes pensavam que os ímãs possuíam uma energia viva, e usariam uma pulseira ou um pedaço de material metálico na esperança de combater doenças e infecções ou aliviar a dor crônica. Mas com os avanços da medicina ao longo dos anos 1800, não demorou muito para que os ímãs passassem a ser vistos como dispositivos terapêuticos inúteis e até perigosos.

A terapia magnética teve um ressurgimento na década de 1970 com Albert Roy Davis, PhD, que estudou os diferentes efeitos que as cargas positivas e negativas têm sobre a biologia humana. Davis alegou que a energia magnética poderia matar células malignas, aliviar a dor da artrite e até tratar a infertilidade.

Hoje, a venda de produtos magnéticos para tratamento da dor é uma indústria multibilionária em todo o mundo. Mas, apesar de outro período sob os holofotes, estudos recentes determinaram que a evidência é inconclusiva.

Então, eles realmente funcionam?

De acordo com a grande maioria das pesquisas, a resposta é não. As afirmações de Davis e um estudo de 1976 foram amplamente rejeitadas, e há pouca ou nenhuma evidência de que os pulseiras magnéticos tenham algum futuro no controle da dor.

Uma revisão de 2007 da pesquisa concluiu que os pulseiras magnéticos não são eficazes no tratamento da dor causada por osteoartrite, artrite reumatoide ou fibromialgia. Outro, de 2013, concordou que as pulseiras magnéticas e de cobre não têm mais efeito no controle da dor do que os placebos. As pulseiras foram testadas quanto aos seus efeitos na dor, inflamação e função física.

De acordo com o Centro Nacional de Saúde Complementar e Integrativa (NCCIH), os ímãs estáticos, como os de uma pulseira, não funcionam. Eles alertam as pessoas para não usarem qualquer tipo de ímã como substituto para atendimento médico e tratamento.

Os ímãs são perigosos?

A maioria dos ímãs comercializados para alívio da dor é feita de ferro ou cobre puro – ou ligas (misturas de metais ou metais com não-metais). Eles vêm em forças entre 300 e 5.000 gauss, o que não é nem de perto tão forte quanto a força magnética dos ímãs que você encontra em coisas como aparelhos de ressonância magnética.

Embora sejam geralmente seguros, o NCCIH alerta que dispositivos magnéticos podem ser perigosos para certas pessoas. Eles advertem contra usá-los se você também usa um marcapasso ou uma bomba de insulina, pois podem causar interferência.

o que a ciência diz?

Apesar da popularidade das pulseiras magnéticas, a ciência tem, em grande medida, refutado a eficácia desses ímãs no tratamento da dor crônica, inflamação, doenças e deficiências gerais de saúde.

Não use ímãs como um substituto para a atenção médica adequada e evite-os se tiver um marca-passo ou usar uma bomba de insulina.